Ilha de Páscoa

Sara Fernandes 3 years ago Culturas, História Antiga
Ilha de Páscoa

Localizada ao sul do oceano Pacífico, com apenas 18 km², este pequeno pedaço de terra da Oceania (entre o Chile e a Polinésia) foi descoberto por acaso pelo almirante holandês Jacob Roggeven, justamente num domingo de Páscoa de 1772, por isso o nome,  mas atualmente, é designada pelos nativos por Rapa-Nui “ilha grande” ou até por Mata ki te rangi “olhos fixados no céu”. Qualquer terra mais próxima, está a uma distância de 3000 a 3200km, por isso seus habitantes chamam-na de Te pito o te henúa “umbigo do mundo”.
O principal símbolo da ilha são os Moais, esculturas gigantescas esculpidas em pedras vulcânicas, centenas de “homens gigantescos” espalhados pela pequena superfície da ilha, sempre no rosto com a mesma expressão e parecem vigiar os horizontes.
Quase todas estas estátuas foram esculpidas na cratera do vulcão Rano Raraku por volta de 1300 D.C. pelos nativos, e são mais de mil estátuas de várias formas e tamanhos. As mais antigas estima-se que sejam do século 8 e são as menores, cerca de 5 metros, já as mais novas, datam do século 13 e algumas ainda estão presas à grandes pedras onde eram esculpidas, estas chegam a 21 metros e tem suas faces mais definidas.

Quase todas essas estátuas estão de costas para o mar olhando para o interior da ilha, os nativos dizem que é uma forma de proteção para os Rapa-Nuis, segundo eles cada tribo possuía seus Moais e acreditavam que de seus olhos eram emanadas energias para seu povo.

Written by | Sara Fernandes

19 anos, criadora de conteúdos e casada com o homem mais perfeito do mundo.